• Encontro 38 – Conversa sobre o G.R.A.C.E.

    No encontro de hoje, conversamos sobre como a Roshi Joan Halifax explica a prática do G.R.A.C.E. em seu livro “Standing at the Edge“, em processo de tradução. A Roshi oferece um curso bastante profundo sobre o G.R.A.C.E. no Upaya Zen Center. Você poderá se inscrever em www.upaya.teachable.com   Se quiser participar ao vivo, todas as 5as às 9h00, preencha, por favor, este formulário: https://forms.gle/hya1c3PEM6jGgDW4A E entre neste grupo de whatsapp, onde só eu posto avisos e comunico qualquer mudança: https://chat.whatsapp.com/LnkSQi8Wg5B1mAeUnIaTgX Baixe o Zoom: https://zoom.us/download     E todas as 5as, basta entrar neste link uns minutinhos antes 9h00 da manhã (horário de Brasília): https://zoom.us/j/93553629785 A senha é 108. Os encontros ficarão…

  • Encontro 35 – Coragem e Compaixão

    No encontro de hoje exploramos o lugar de onde agimos compassivamente, um lugar que em vez do medo do sofrimento, da tentativa amedrontada de evitar que o outro sofra, reconhecemos os recursos e o poder do outro de enfrentar as circunstâncias da vida. Comemorando os 85 anos do Dalai Lama, dedicamos esta prática ao seu retorno ao Tibete, ao povo e à cultura tibetana, patrimônio espiritual da humanidade. Encerramos nos inspirando com este vídeo, que representa o primeiro dos três compromissos do Dalai Lama – de nos reconhecermos como irmãs e irmãos. Se quiser participar ao vivo e ser lembrado, preencha, por favor, este formulário: https://forms.gle/hya1c3PEM6jGgDW4A E entre neste grupo…

  • Dalai Lama: por trás da ansiedade, o medo de ser desnecessário

      Em muitos sentidos, nunca houve um melhor momento para se estar vivo. A violência assola alguns cantos do mundo, e muitos ainda vivem sob o domínio de regimes tirânicos. E embora todas as grandes religiões do mundo ensinem amor, compaixão e tolerância, uma violência inimaginável é perpetrada em nome da religião. E ainda assim, menos dentre nós são pobres, menos têm fome, menos crianças morrem e mais do que em qualquer outro momento da história homens e mulheres são capazes de ler. Em muitos países, o reconhecimento dos direitos das mulheres e das minorias é agora a regra. Ainda há muito trabalho a ser feito, é claro, mas há…

  • OFICINA – “Inteligências do Coração” – Brasília

    OFICINA – “Inteligências do Coração” Brasília – 19 e 20 de agosto de 2017 As práticas de treinamento da mente baseadas na quietude e no silêncio de corpo, fala e mente são fundamentais – elas tranquilizam a nossa mente e nos ajudam a reduzir a responsividade frente aos variados estímulos. Mas que outras qualidades poderíamos cultivar ativamente para pacificarmos e melhorarmos todas as nossas relações – com nós mesmos, com o outro e com o ambiente? Que inteligências podemos acessar e colocar a serviço de um bem-estar mais profundo, da felicidade genuína, nossa e dos outros? A partir deste ano, o Curso Completo do Programa Cultivating Emotional Balance será oferecido em quatro Oficinas: “As…

  • Realizado – Conversas sobre Envelhecer – Dra. Ana Claudia Quintana Arantes e Convidados

    Nosso Brasil envelhece na velocidade mais assustadora do planeta. Em 2050, um em cada cinco brasileiros vai ter mais de 60 anos. E o nosso maior problema é que nossa cultura não ensina como vamos lidar com a nossa realidade quando chegar a nossa hora de fazer parte desta estatística ou quando alguém que amamos muito precisar de um olhar diferente para o tempo de envelhecer. Então…Diante da certeza de que vai envelhecer, como você se sente? A maioria das pessoas parece não lidar bem com a ideia, uma realidade da qual é impossível escapar e que se faz presente a cada dia que passa. Como não há um remédio milagroso, o…

  • A cegueira de todos nós

    Imagine que você está caminhando por uma calçada com os braços cheios de mantimentos e alguém tromba com você. Você cai e seus mantimentos se espalham pelo chão. Levantando-se da poça de ovos quebrados e suco de tomate, você está prestes a gritar, “Seu idiota! O que há de errado com você? Você é cego?” Mas antes mesmo de conseguir recuperar o fôlego para falar, você vê que a pessoa que trombou com você é realmente cega. Ela também está esparramada por sobre os mantimentos. A sua raiva desaparece em um instante, e é substituída por uma preocupação: “Você está ferido? Posso ajudá-lo? ” Nossa situação é exatamente essa. Quando…

  • Os benefícios da meditação compassiva

    O Centro de Stanford para Pesquisa e Educação sobre Compaixão e Altruísmo constatou que o treinamento com a meditação compassiva pode reduzir a divagação mental e encorajar um comportamento benevolente e cuidador com relação a si mesmo e aos outros. A meditação compassiva é focada em pensamentos benevolentes em relação a si mesmo e aos outros. Neste aspecto ela é diferente da maioria das formas de meditação. O artigo “Uma mente que divaga é uma mente menos cuidadora”, foi publicado recentemente no Journal of Positive Psychology. A divagação mental é a experiência de a atenção não permanecer em um único objeto por muito tempo. Pesquisas anteriores sugeriram que as pessoas gastam cerca de 50 por cento de suas horas de vigília…

  • Cuidar das nossas crianças cuidando de nós mesmos

    ~ por John Snyder – Professor Nas ocasiões em que eu desacelerei o suficiente para realmente refletir sobre isso, ocorreu-me que o meu trabalho como professor Montessoriano é muito difícil para alguém com habilidades limitadas como eu, ou seja, para alguém que ainda precisa se alimentar, dormir e ocasionalmente se divertir. As demandas parecem não parar nunca, e quando acontece de diminuírem de vez em quando, tenho um enorme acúmulo de projetos de melhoria para preencher esse tempo. Os pais às vezes perguntam com uma certa admiração: “Como você faz isso?” É mesmo! Como é que uma pessoa não só continua, mas faz tudo isso com ânimo, feliz, com um senso de perspectiva e, quase sempre,  calmamente presente na sala de aula? Fico feliz em compartilhar pelo menos…

  • Sustentando um espaço seguro

    Tradução livre do texto de Heather Plett – “What means to hold space for people plus eight tips on how to do it well”. Quando minha mãe estava morrendo, eu e meus irmãos nos reunimos para ficar com ela em seus dias finais. Nenhum de nós sabia nada sobre apoiar alguém em sua transição desta vida para a próxima, mas estávamos certos de que queríamos mantê-la em casa, e assim fizemos. Enquanto nós apoiávamos nossa mãe, éramos apoiados por uma talentosa enfermeira de cuidados paliativos, Ann, que vinha todos os dias para cuidar dela e conversar conosco sobre o que poderia acontecer nos próximos dias. Ela nos ensinou como injetar morfina quando…

  • Perdoar tem algo de morrer

    “Quando nossas mentes estão cheias de raiva e de ódio por outras pessoas, na verdade, nós somos os únicos que estamos realmente sofrendo, aprisionados nesse estado mente. Mas não é muito fácil acessar o lugar dentro de nós que é capaz de perdoar, que é capaz de amar. Sob alguns aspectos, ser capaz de perdoar, de abrir mão, é uma espécie de morte. É a capacidade de dizer: “Eu não sou mais aquela pessoa, e você não é mais aquela pessoa.” O perdão nos permite recuperar uma parte de nós mesmos que havia ficado para trás presa a um evento passado. Pode ser que alguma parte da nossa identidade precise…

  • Mente e moralidade: onde elas se encontram?

    Joan Halifax “Não posso fazer outra coisa a não ser ter reverência diante de tudo que se chama vida. Não posso fazer outra coisa a não ser ter compaixão por tudo que se chama vida. Esse é o princípio e o fundamento de toda a ética.” -Dr. Albert Schweitzer Ao contemplar esta questão, mais perguntas brotaram: Qual o papel que a compaixão tem na intersecção entre mente e moralidade? Mente e moralidade estão conectadas pela compaixão baseada em princípios? O que é compaixão? E por que modificar a palavra “compaixão” com o termo “baseada em princípios”?

  • A raiva nossa de cada dia

    “Grande parte dos estudos da psicologia contemporânea demonstram que quando uma pessoa expressa raiva frequentemente, a expressão da raiva fica cada vez mais fácil. Expressar raiva se torna um hábito. Muitas pessoas assumem que dispõem de uma determinada quantidade de raiva e que não querem mantê-la dentro de si – querem expulsá-la, de alguma forma. É como se a raiva fosse uma coisa sólida. Mas, na verdade, se observarmos com cuidado, descobrimos que a raiva não tem nenhuma solidez. Na realidade, a raiva é meramente uma resposta condicionada, que surge e se dissolve. Para nós, é crucial entendermos que quando nos identificamos com esses estados passageiros como se fossem sólidos e como…

  • A busca do sentido

    Um projeto de pesquisa da Universidade de Stanford explorou as principais diferenças entre a felicidade e o sentido. Embora sejam semelhantes, existem diferenças dramáticas – e não se deve subestimar o poder do significado. “A busca de sentido é uma parte fundamental daquilo que nos torna humanos”, concluíram os pesquisadores. Embora a felicidade e a vida com sentido se sobreponham, são experiências muito diferentes, de acordo com a pesquisa de Stanford. Em um estudo publicado no Journal of Positive Psychology, Jennifer Aaker, da Stanford Graduate School of Business, e pesquisadores associados, encontrou respostas sobre como as pessoas gastam seu tempo e que experiências eles cultivam. “A vida feliz está mais relacionada a ser um tomador em vez…

  • E por falar em Feliz Ano Novo…

    Muitas vezes as coisas mais óbvias são as mais difíceis de enxergar. É bom que olhemos por vários ângulos diferentes, que ouçamos das mais diversas formas, usufruindo do talento generoso de pessoas que buscam compartilhar suas experiências e visões sobre, afinal, como podemos ser mais felizes! Aqui está uma seleção de conferências de pessoas assim! Que em 2014 nós possamos nos alegrar com as coisas mais simples da vida! (Clique na imagem de Matthieu Ricard para assistir aos vídeos, quase todos com legendas em português) 1. Dan Gilbert –  O que nos faz felizes? Dan Gilbert, autor de “Stumbling on Happiness” (Tropeçando na Felicidade), contesta a idéia de que seremos…

  • A meditação do amor altruísta

    ~ Matthieu Ricard Para cultivar o amor altruísta, primeiro devemos nos tornar plenamente conscientes do nosso próprio desejo de nos livrarmos do sofrimento e de experimentarmos bem-estar. Este passo é especialmente importante para aqueles que têm uma imagem negativa de si mesmos ou para aqueles que sofreram tanto que sentem que a felicidade não foi feita para eles. Devemos gerar assim uma atitude acolhedora, tolerante e benevolente com relação a nós mesmos e nos dispor a conseguir o que é verdadeiramente bom para nós mesmos. Uma vez que tenhamos reconhecido essa aspiração, temos de reconhecer também que ela é compartilhada por todos os seres. Devemos reconhecer nossa humanidade comum e…

  • O arrependimento de Darwin – pouca poesia e pouca música

    “Minha mente mudou nos últimos vinte ou trinta anos … Já há muitos anos eu não suporto sequer ler uma linha de poesia … Eu também perdi quase completamente o gosto por pintura ou música … Minha mente parece ter se tornado uma espécie de máquina de extrair leis gerais a partir de grandes conjuntos de fatos … Se eu tivesse que viver minha vida novamente, eu teria criado uma regra de ler alguma poesia e ouvir um pouco de música, pelo menos uma vez por semana … Perder esses gostos é perder felicidade, e possivelmente pode ser prejudicial para o intelecto, e mais provavelmente ao caráter moral, por enfraquecer…

  • Compaixão Universal

    Eu tive a boa sorte de conhecer o Dalai Lama e de ter a oportunidade de passar quase 50 horas conversando com ele pessoalmente. E nós nos influenciamos mutuamente. Uma das influências que ele exerceu sobre mim foi conseguir me despertar meu interesse pela questão da compaixão. Todos nós sentimos compaixão por nossos filhos, principalmente quando eles ainda são indefesos e jovens. E então, novamente quando chegam desamparados à velhice ou um ponto em não possam cuidar de si próprios. Mas e com relação a um estranho, um estranho na rua, um estranho em outro país? Alguém que tem uma cor de pele diferente ou uma religião diferente? Não sentimos…

  • O que é compaixão?

    O que é compaixão e qual é a diferença de empatia ou altruísmo? A definição de compaixão é muitas vezes confundida com a de empatia. Empatia, conforme definido pelos pesquisadores, é a experiência visceral ou emocional dos sentimentos de outra pessoa. É, em certo sentido, um espelhamento automático da emoção do outro, como sofrer com a tristeza de um amigo. O altruísmo é uma ação que beneficia alguém, que pode ser acompanhada ou não por empatia ou compaixão, como por exemplo, fazer uma doação para obter benefícios fiscais. Embora estes termos estejam relacionados com compaixão, não são idênticas. A compaixão muitas vezes, naturalmente, envolve uma resposta empática e um comportamento…

  • Homem ao mar!

    Compaixão, pena e empatia. Será que é tudo a mesma coisa? Para explicar que não, o Professor Alan Wallace empresta uma metáfora perfeita de Matthieu Ricard,  “o homem mais feliz do mundo”. Imagine que você está em um navio, em alto-mar, e um homem, que está a bordo e que não sabe nadar, cai do barco. Logicamente, o que você sente, em primeiro lugar, é uma tristeza e um desespero profundo. O barco, por alguma razão não pode retornar e, portanto, o pobre homem vai morrer afogado. Tristeza! Você é um exímio nadador e pensa em pular no mar para salvar o homem. Mas como? Nadar para onde? Morreriam os…

  • De volta

    Cinco semanas… Há cinco semanas que nada acontece neste blog. Mas a causa é mais do que boa! Durante estas últimas semanas, me dediquei exclusivamente às práticas e aos estudos da formação no Programa Cultivating Emotional Balance, com a Dra Eve Ekman e com o Prof Alan Wallace. Uma preciosidade! Veja aqui o Prof Alan Wallace explicando os fundamentos do Programa: http://www.youtube.com/watch?v=wEgSMo3zcME O Cultivating Emotional Balance foi lindamente estruturado com base nos “Quatro Equilíbrios”: o Equilíbrio Conativo, que trata da nossa visão de mundo, das nossas motivações e prioridades o Equilíbrio da Atenção, que inclui propriamente as práticas de meditação o Equilíbrio Cognitivo, que trata da forma como percebemos o que se…

  • Sobre o sentido da vida

    Existe alguma diferença entre uma vida feliz e uma vida plena de sentido? Pessoas que são felizes mas que experimentam pouco ou nenhum sentido em suas vidas apresentam a mesma expressão genética que as pessoas que enfrentam adversidades cronicamente. Esta á a conclusão de um estudo conduzido por Barbara Fredrickson, psicóloga e pesquisadora especializada em emoções positivas na Universidade de Carolina do Norte -Chapel Hill, e Steve Cole, geneticista e pesquisador na área de psiquiatria na UCLA, publicado em Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS). “A felicidade sem sentido caracteriza uma vida relativamente superficial, auto-centrada ou até mesmo egoísta, em que as coisas vão bem, necessidades e desejos…

  • A moralidade da meditação

    David DeSteno A meditação está rapidamente se tornando uma ferramenta da moda para melhorar a mente. Com a crescente evidência científica de que a prática pode aumentar a criatividade, a memória e os escores em testes de inteligência, o interesse por seus benefícios práticos está também crescendo. Uma série de programas de treinamento baseados na atenção plena (mindfulness), como o desenvolvido pelo engenheiro Chade-Meng Tan na empresa Google, e conferências como a Wisdom 2.0 para líderes de negócios e da área de tecnologia, prometem aos participantes uma visão sobre como a meditação pode ser usada para aumentar o desempenho individual, a liderança e a produtividade.

  • Se sentindo só em meio aos outros

    ~ Matthieu Ricard De acordo com Sherry Turkle, uma famosa psicóloga, escritora e diretora da Iniciativa “Tecnologia e Self” do MIT, a mídia “social” é, na realidade, apenas um meio para nos permitir estar sozinhos enquanto permanecemos conectados a muitas outras pessoas! Um menino de 16 anos, que produz de mensagens de texto sobre quase tudo, disse melancolicamente: “Algum dia, mas não agora, eu gostaria de aprender a ter uma conversa.” Os jovens têm mudado de “ter uma conversa” para “permanecer conectado “. Quando você tem 3.000 “amigos” no Facebook, você não tem conversas reais com nenhum deles. Você só faz ologin para poder falar sobre si mesmo para um público…

  • Fazendo da felicidade um hábito

    ~ Susan Kaiser Greenland E se a felicidade fosse um hábito que pudéssemos ensinar às crianças? E é! Qualidades que nos afastam da felicidade (fortes emoções negativas) e as qualidades que nos conduzem à felicidade (ações éticas) são enraizadas nos hábitos desenvolvidos no passado. A Atenção Plena ajuda as crianças e os adolescentes a reconhecerem os hábitos que levam à felicidade e a abandonarem os que não levam. Os hábitos são fáceis de construir, difíceis de abandonar e todo mundo tem. Alguns hábitos são físicos (roer as unhas e enrolar o cabelo), alguns são verbais (usar certas palavras ou frases) e alguns são de natureza psicológica (preocupar-se, sonhar acordado, e…

  • As implicações sociais da meditação

    A meditação está associada a uma série de benefícios à saúde, incluindo uma melhor saúde mental, melhor cognição funcional, e até mesmo a um aumento da massa cinzenta no cérebro. No entanto, as implicações sociais da meditação nunca foram estudadas cientificamente. “Sabemos que a meditação melhora o bem-estar físico e psicológico”, disse Paul Condon, um estudante de pós-graduação no laboratório de David DeSteno, investigador principal. “Queríamos saber se a meditação realmente favorece o comportamento compassivo.” Em um novo estudo conduzido por Condon, a equipe DeSteno mostrou que mesmo um breve período de treinamento de meditação é de fato suficiente para incrementar em quase quatro vezes a atitude compassiva para com…

  • Como podemos ajudar as nossas crianças a manejar o estresse

    ~ Susan Kaiser Greenland Clique aqui para ver o vídeo com legenda  (selecione portuguese na bolinha verde abaixo do vídeo) ou veja a transcrição abaixo: A consciência plenamente atenta tem agora muitos significados para muitas pessoas. Mas o conceito clássico de atenção plena é basicamente uma forma de prestar atenção às experiências da vida de um modo particular, com uma atitude de bondade e compaixão por nós mesmos e pelos outros. Eu comecei a praticar a meditação da atenção plena com os meus filhos porque eu mesma já praticava. E pensei: “- uau, se está me ajudando, deve ajudar as crianças também”. É por isso que comecei a trabalhar com eles. Primeiramente, o estresse que…

  • Mude sua Mente. Mude o Mundo.

    No último dia 15 de maio, a Universidade de Wisconsin realizou o evento “Change your Mind. Change the World.”, com muitos conferencistas brilhantes, que conversaram durante todo o dia com Sua Santidade o Dalai Lama. No período da tarde, Richard Davidson, cientista reconhecido como uma das pessoas mais influentes do mundo pela Revista Times, apresentou o que a ciência já descobriu sobre o bem-estar. Sensacional! Esse trecho está legendado em português.

  • Estudo demonstra que o cérebro pode ser treinado em compaixão

    ~ Alison DeShaw Rowe – Centro de Investigação de Mentes Saudáveis Até o momento, pouco se sabe cientificamente sobre o potencial humano para cultivar a compaixão – o estado emocional de cuidar de pessoas que sofrem, de forma a motivar o comportamento altruísta. Um novo estudo realizado por pesquisadores do Centro de Investigação de Mentes Saudáveis, no Waisman Center da Universidade de Wisconsin-Madison, mostra que os adultos podem ser treinados para serem mais compassivos. O artigo, recentemente publicado online na revista Psychological Science, é o primeiro a investigar se o treinamento de adultos em compaixão pode resultar em maior comportamento altruísta e causar alterações relacionadas nos sistemas neurais subjacentes à compaixão.…

  • O que a ciência nos ensina sobre bem-estar?

    Finalizando os preparativos para receber Sua Santidade o Dalai Lama para um diálogo sobre Saúde Global e Bem-Estar, evento co-patrocinado pelo Center for Investigating Healthy Minds e pelo Global Health Institute, ambos da Universidade de Wisconsin – Madison, é oportuno refletir sobre o que a ciência está nos ensinando sobre bem-estar. Há quatro coisas que podemos agora dizer que a ciência nos ensinou sobre bem-estar: 1. O bem-estar é uma habilidade. Ao conceituar o bem-estar como uma habilidade, lançamos mão das idéias modernas da neurociência, em que o estudo da neuroplasticidade nos informa que a mente e o cérebro são altamente mutáveis, e que o cérebro está constantemente sendo moldado pela experiência e…

  • Compaixão e Negócios

    Pesquisas recentes sugerem que um ambiente de trabalho mais compassivo, onde a prontidão para ajudar e para perdoar fazem parte do modelo de negócio, é um lugar mais produtivo, eficiente e feliz. Nas empresas onde a compaixão é enfatizada, os empregados são menos estressados e mais satisfeitos com seus empregos, e o turnover é menor, dizem os pesquisadores. As pessoas que trabalham em organizações compassivas também são mais leais e engajadas, de acordo com pesquisadores. “Compaixão, fundamentalmente, define a nossa humanidade”, disse James Doty, o fundador e diretor Center for Compassion and Altruism Research and Education na Stanford University. Doty fez sua apresentação na recente Conferência sobre Compaixão e Negócios, onde os pesquisadores…

  • O que há de mais natural em todos nós

    Em seu livro “A Arte da Felicidade”, o Dalai Lama define compaixão como “um estado de mente que é não violento, que não fere e não agride. É uma atitude mental baseada no desejo de que os outros se livrem de seu sofrimento, e está associada a uma sensação de compromisso, responsabilidade e respeito para com o outro”. Ela surge a partir de um sentimento chamado em tibetano de tsewa, para o qual a tradução mais aproximada seria simplesmente “cuidado sincero”, que o Dalai Lama considera a mais fundamental das emoções humanas. Quando a compaixão inunda os nossos corações, não podemos suportar o sofrimento dos outros, porque sentimos como se…

  • Só em meio aos outros

    Matthieu Ricard De acordo com Sherry Turkle, uma famosa psicóloga, escritora e diretora da Iniciativa “Tecnologia e Self” do MIT, a mídia “social” é, na realidade, apenas um meio para nos permitir estar sozinhos enquanto permanecemos conectados a muitas outras pessoas! Um menino de 16 anos, que produz de mensagens de texto sobre quase tudo, disse melancolicamente: “Algum dia, mas não agora, eu gostaria de aprender a ter uma conversa.” Os jovens têm mudado de “ter uma conversa” para “permanecer conectado “. Quando você tem 3.000 “amigos” no Facebook, você não tem conversas reais com nenhum deles. Você só faz ologin para poder falar sobre si mesmo para um público seguro.…

  • O que é Ética Secular?

    Sua Santidade o 14 º Dalai Lama disse que “no mundo secular de hoje, a religião apenas já não é mais adequada como base para a ética … qualquer resposta baseada na religião para o problema da nossa negligência com relação a valores internos nunca poderá ser universal, e portanto será inadequada. O que nós precisamos hoje é de uma abordagem para a ética, que não recorra à religião e que possa ser igualmente aceitável para os que têm fé e para os que não têm: uma ética secular”.(1) Se ampliarmos o que consideramos “ética secular” para além de sua caracterização pelo Dalai Lama, podemos considerá-la como sendo uma parte…

  • A meditação e o comportamento compassivo

    Essas questões estavam no coração de um estudo recente liderado por Paul Condon, um estudante de pós-graduação em psicologia social, do Dr. David DeSteno na Northeastern University. O experimento ofereceu aos participantes oito semanas de instruções de meditação. Em encontros de duas horas por semana, para a metade dos participantes foram ensinadas técnicas para a prática da atenção plena, e a outra metade foi treinada em compaixão. Um grupo controle de pessoas que também estavam interessadas em aprender meditação receberam treinamento depois que o estudo terminou.

  • A felicidade é uma habilidade

    Existe uma ciência da felicidade? Richard Davidson Eu acho que há um ciência da felicidade que está se desenvolvendo e que uma das coisas que aprendemos a cerca da felicidade a partir do trabalho sobre o qual estamos falando, é que é melhor pensarmos na felicidade como uma habilidade. Normalmente não pensamos assim. Mas na verdade, todo este trabalho nos levará a ver desta forma – se praticarmos, nos tornaremos melhores nisso.

  • Equilíbrio Mental e Bem-Estar

    Alan Wallace e Shauna Shapiro Durante algum tempo, a psicologia clínica focou principalmente o diagnóstico e o tratamento das doenças mentais. Apenas recentemente a atenção tem se voltado à compreensão e ao cultivo de uma saúde mental positiva. Alan Wallace e Shauna Shapiro propuseram um modelo para o cultivo do bem-estar mental, composto por quatro tipos de equilíbrio mental: Equilíbrio Conativo O termo conação se refere às faculdades da intenção e da volição. Por exemplo, a intenção de passar mais tempo com seus filhos ou de perder peso são exemplos de conação, com uma intenção ou um objetivo, onde há um comprometimento maior do que no caso de um simples…

  • A Ciência da Compaixão

    Graças algumas pessoas que trouxeram os ensinamentos sobre atenção plena do Oriente e alguns cientistas que, ao longo dos últimos 30 anos, empiricamente têm estudado seus efeitos, muitos experimentaram os profundos efeitos dessa prática: reduzem o estresse, tornam-se mais eficientes, e possivelmente adquiriram algum insight sobre apego e ilusão. Embora o caminho da atenção plena tenha a incrível capacidade de resultar em transformação, não se pode fazer esta viagem sozinhos. Pode representar até mesmo um perigo, porque sem conhecimento e sabedoria, pode tronar-se  exercício narcisista de isolamento e de auto-absorção. Ainda que a atenção plena possa fazer muitas coisas positivas, isoladamente não pode oferecer o que buscamos de mais profundo,…

  • Blindness

    Daniel Goleman “O alcance do que pensamos e fazemos é limitado pelo que deixamos de notar. E porque deixamos de notar que deixamos de notar, há pouco que possamos fazer para mudar, até que percebamos o quanto deixar de notar dá forma aos nossos pensamentos e às nossas ações.”