• Conversa sobre Meditação e Equilíbrio Emocional

    Incrível como a tecnologia é capaz de fato de aproximar as pessoas! E não tenho como agradecer os amigos lindos que eu tenho, muito especialmente o Gustavo Gitti, e que têm a habilidade de criar uma verdadeira rede para as pessoas apoiarem umas as outras no caminho. Na última terça-feira, 1 de março, participei de um desses eventos organizados pelO Lugar, e em 1h30, pudemos abordar os principais fundamentos do Programa Cultivando o Equilíbrio Emocional, com a possibilidade até de tentar responder perguntas muito ricas que as pessoas enviavam pelo chat. Se tiverem um tempinho, ficou tudo gravado. Um grande beijo

  • A cegueira de todos nós

    Imagine que você está caminhando por uma calçada com os braços cheios de mantimentos e alguém tromba com você. Você cai e seus mantimentos se espalham pelo chão. Levantando-se da poça de ovos quebrados e suco de tomate, você está prestes a gritar, “Seu idiota! O que há de errado com você? Você é cego?” Mas antes mesmo de conseguir recuperar o fôlego para falar, você vê que a pessoa que trombou com você é realmente cega. Ela também está esparramada por sobre os mantimentos. A sua raiva desaparece em um instante, e é substituída por uma preocupação: “Você está ferido? Posso ajudá-lo? ” Nossa situação é exatamente essa. Quando…

  • Cuidado com a propaganda neurocientífica

    A Revista Tricyle publicou hoje uma longa entrevista com a neurocientista e pesquisadora das práticas meditativas, Catherine Kerr, em que ela se declara bastante preocupada com a publicação de um artigo sobre a prática de “mindfulness” em um site bastante popular. O artigo citava 20 benefícios da meditação: “reduzir a solidão”, “aumentar a massa cinzenta” , “ajudar a dormir” entre outros, e apresentava a meditação como uma espécie de elixir de ouro para a vida moderna. Kerr postou o artigo na sua página do Facebook. “Não que tudo isso seja grosseiramente impreciso”, ela escreveu em seu post. “É que os estudos apresentam só os resultados positivos.” Catherine é Professora Assistente de Medicina e Medicina da Família da Universidade…

  • Em qualquer colisão com a realidade, você perde!

    Quando era jovem e estava aprendendo a dirigir motocicleta, recebi uma instrução muito útil, da qual nunca mais esqueci: “Quando estiver dirigindo uma moto, se você bater em qualquer coisa, você perde!” Da mesma forma, se colidir com qualquer aspecto da verdadeira natureza da realidade, dando a ela concretude como os substancialistas ou considerando que nada existe de forma alguma como os niilistas, você perde! ~ Alan Wallace – “The Fine Path of Liberation” – Santa Barbara – Novembro/2012

  • A suposta realidade

    “Pelo menos desde o tempo de Descartes, os cientistas reconhecem a natureza subjetiva do mundo dos sentidos e têm procurado compreender o mundo físico real, uma vez que ele existe independentemente dos nossos sentidos. O que vem à mente quando você tenta conceber o universo como se ele realmente existisse “lá fora”? Pense, por exemplo, em um átomo. Você provavelmente vai imaginar um pequeno núcleo com elétrons circulando ao redor, dentro de um domínio muito maior de espaço vazio. Se você pensar no núcleo, poderá imaginar prótons e nêutrons. Se você conhecer um pouco mais de física, poderá imaginar partículas ainda menores, como os quarks. Você adquiriu essas imagens mentais…

  • Refinando a percepção da realidade

    “Nosso objetivo é cultivar o equilíbrio cognitivo, um termo especial para algo que é muito comum. Equilíbrio cognitivo é a ausência de deficit e de hiperatividade da cognição. O deficit cognitivo ocorre quando não notamos algo que é claramente apresentado a nós. Por exemplo, podemos olhar diretamente para o rosto de uma pessoa mas, por estarmos tão submersos em nossos próprios pensamentos, somos incapazes de notar suas expressões, tom de voz e seu estado emocional. Na hiperatividade cognitiva, lembramos de coisas que nunca aconteceram, ou vemos coisas que são totalmente projetadas. Nós sobrepomos conceitos sobre a realidade e os confundimos com aquilo que está sendo apresentado. Diferenciar claramente o que…

  • Investigando a mente em primeira pessoa

    “No contexto mais amplo da ciência e do conhecimento acadêmico, nós, no Ocidente, somos propensos à visão muito restrita, preconceituosa e, essencialmente não científica, do potencial da mente para observações objetivas. Consideramos que os cinco sentidos externos, com as suas extensões por meio de instrumentos de tecnologia, nos fornecem informações “objetivas”, enquanto a mente, voltada para dentro, é considerada “subjetiva” demais para fornecer dados confiáveis sobre o que quer que esteja observando. De acordo com este ponto de vista, o empirismo – a exploração da realidade por meio da observação e da experiência (em oposição à confiança no dogmatismo ou racionalismo puro) – deve ser focado no mundo físico e…

  • Investigando a Mente em Primeira Pessoa

    Desde a virada do século, um número crescente de estudos científicos revelaram os benefícios para a saúde de vários tipos de meditação baseadas na atenção plena. Scans do cérebro, medições de EEG, estudos de comportamento e questionários têm mostrado a influência da meditação sobre o cérebro e sobre o comportamento, que para muitas pessoas empresta algum grau de credibilidade à prática da meditação. Na esmagadora maioria desses estudos, aqueles que conduzem e na pesquisa são cientistas treinados profissionalmente, com a intenção de aplicar medidas objetivas para entender a natureza e os efeitos da meditação. Em contraste, os meditadores são tratados como indivíduos nestes estudos, semelhante sujeitos humanos e não-humanos em outros tipos de pesquisa…

  • Cultivando o equilíbrio mental e emocional

    Como os nossos desejos e impulsos afetam o nosso bem-estar mental? Como a nossa desatenção afeta as nossas mentes? Qual é o impacto dos pensamentos negativos? Como podemos remediar os desequilíbrios emocionais? Como podemos cultivar o equilíbrio mental e emocional em nossas vidas? Neste vídeo, o Prof Alan Wallace nos oferece elementos para cultivarmos a felicidade genuína – aquela que vem do que trazemos ao mundo e não do que obtemos dele. Parte do pressuposto de que a estabilidade da nossa atenção é a chave. Uma pessoa que pode controlar sua atenção pode ter controle sobre o tipo de realidade que tem a sensação de estar experimentando ou vivenciando. Afinal,…